quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Frescuras que refrescam e proporcionam saúde

Misturas de texturas revelam novos sabores a pratos do dia-a-dia
Alguns ingredientes básicos utilizados na composição de pratos têm a abençoada propriedade de refrescar o corpo, beneficiar a saúde e tornar uma simples refeição em preparos de muito sabor. Um singelo exemplo são legumes grelhados em uma chapa de ferro (no caso, lâminas de abobrinha e de berinjela), regados com azeite e salpicados com ervas frescas mais sal grosso. Esse prato, que pode assumir as vezes de um antepasto ou mesmo de refeição principal, só ganhou destaque em decorrência da mistura de texturas e da utilização da grelha sem gordura, que mantém intactas as propriedades nutricionais dos legumes, revelando sabores diversos.

endívia assada com balsâmico e cogumelos com tomilho e azeite
Outro aliado para preparações exemplares é o papel alumínio. Quando usado como embalagem para assar no forno cogumelos frescos temperados com tomilho, ou endívias inteiras salpicadas com sal e regadas com gotas de balsâmico, e, ainda, mini tomates com folhas de loro frescas..... maximiza os benefícios das comidinhas e absorve ainda mais os sabores das ervas agregadas a cada preparo.

ceviche de pescada, camarões salteados e coco ralado fresco
Há também complementos usados com frequência na cozinha, como dentes de alho picados grosseiramente ou macerados com manjericão e azeite; cebola roxa cortada em lâminas; balsâmico; raspas de limão siciliano; ervas frescas, entre elas sálvia, alecrim, menta, capim-limão, nirá, basílico ....que proporcionam resultados surpreendentes.

Agregar frutas, a exemplo da maçã cortada em cubos ou coco ralado fresco, em receitas com frutos do mar, a exemplo do ceviche - que no meu preparo leva também menta moída e gengibre picado - eleva o prato a outra categoria.
 
ceviche de robalo, camarão salteado mais maçã
Bom, esses são apenas alguns exemplos de distintos preparos que recebem sabores exemplares quando preparados de formas distintas. Mas, além disso, uma dica de que não abro mão (trazida na bagagem da Itália, direto do Borgo Della Colomba) é sempre ter um molho pesto ‘em mãos’. Seja para regar em uma fatia de pão logo pela manhã, como faz o querido Ale ou, ainda, para banhar uma massa ou um testaroli (receita também de Cris e Gianni, que acompanha meus compêndios de receitas).

testaroli
Atualmente, minhas refeições são, em sua maior parte, realizadas na minha cozinha, sempre na companhia da minha cocker Rúbia. Com isso, busco satisfazer meu apetite com os aprendizados do bem-viver, mas sem perder muito tempo com a elaboração, reservando os momentos para degustar com tranquilidade e, literalmente, comendo saúde. 
Rúbia

O que facilita o preparo é que as ervas e as hortaliças saem da minha própria horta, a exemplo do basílico. 



sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Pirão na panela a borbulhar. Tá na hora do rango chegar!!!


Nadar nos oceanos é segurar o ar do mundo e respirar o fundo do mar. Nadar é prender o ar até quanto possa aguentar para avistar os bichos do fundo do mar. Nadar é escutar o som do próprio coração bater enquanto as criaturas marinhas te admiram como o ser estranho entrando nas entranhas do mar. Cozinhar com os frutos advindos dos oceanos é, para mim, misturar os sons dos borbulhares: o das panelas a fervilhar ao dos advindos do fundo do mar. E nada mais reproduz isso como as borbulhas de uma caldo de peixe a pular, agregado ao das farinhas advindas dos monjolos, que  a refinam batendo sem parar. 

Quando este caldo mais a farinha recebem nacos de peixes e pequenos camarões frescos, o resultado é a melhor e mais simples refeição que há.
Pirão* é comida de sustança e de subsistência O pirão - uma pasta saborosa, um tanto grossa feita de farinha de mandioca, ervas frescas, pimenta (a que mais lhe apeteça) e o ingrediente da ocasião resulta dezenas de receitas. Do tradicional pirão d'água; ao pirão de banana-da-terra; do pirão de peixe; do pirão com caldo de feijão; do de mocotó; de carne seca; do da buchada de bode à de boi; ao de tainha  ou o de lagosta. O prato é retrato do nosso país. De norte  sul; de leste a oeste, seja temperado com frutos de águas doce ou salgada; frutos da terra (a exemplo do de banana) o pirão é comida de sustança, de perseverança, de sentir-se forte para aguentar mais um dia de labuta. 


Pirão de peixe com camarão
Ingredientes (para quatro pessoas)
Para o caldo.
Uma dica é picar bem todos os legumes e ervas que for utilizar. Desta forma, quando for passar na peneira para, posteriormente, agregar os nacos de peixe mais a farinha, os sabores estarão mais evidentes.  
- 1 litro de água para o caldo;
- 3 cebolas cortadas grosseiramente;
- 1 cenoura cortadas grosseiramente;
- alho-poró. Se tiver um bulbo, reserve os nacos mais claro, próximos da raiz, para utilizar na finalização; 
- 3 dentes de alho bem picados ou amassados com a lâmina de uma faca;
- 1 maço de salsinha, com os talos, bem picado;
- 1 xícara de manjericão bem picado;
- 4, 5 colheres de azeite;
- Pimenta dedo-de-moça bem picada
- Aparas de peixe, bem lavadas (cabeça - com as bochechas, já nos ensinou um dia nosso amigo Cícero -, e também as espinhas)
- 1 xícara de cabeças camarão, bem lavadas- postas ou cubos de 1 kg de peixe, no caso, fizemos com pescada-olhuda
Para finalizar o pirão
- farinha de mandioca o quanto baste (cerca de 1 mais 1/2 xícara). 
- 1 xícara de nacos de peixe fresco;
- 1 xícara de camarão 
Depois que o caldo estiver peneirado e voltar para a panela com os nacos de peixe mais os camarões, a farinha deve ser agregada aos poucos, sem parar de mexer. Assim, não vai passar do ponto, engrossando em demasia.

*
O termo pirão advém do tupi guarani. Significa papa grossa.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Santo Antônio de Lisboa, patrimônio das tradições açorianas

Lugar “abençoado por Deus e bonito por natureza”. Definição perfeita para este canto, que esconde contos e só demonstra encantos. Onde marcas da herança cultural dos imigrantes açorianos permanecem intactas desde meados do século XVIII.
Bairro onde o cultivo e o processamento de ostras cultivadas pelos maricultores proliferam-se e podem ser degustados por toda a pequena, mas intensa e ‘imensa’ orla. Onde os peixes são pescados há alguns metros dos restaurantes e preparados de forma simples, na hora.


Província na qual a produção de artesanato e da cerâmica, onde a realização de eventos culturais e de celebrações à vida convivem de forma orgânica e em total harmonia com o dia-a-dia das pessoas que lá estão e de toda a sua história, que se faz presente por todos os lados para onde olhamos. Enfim, a beleza singular da região, entre o mar e a montanha, é um exemplo de simplicidade, de sabores e de saberes, onde o tempo desacelera e a pressa não tem vez.  

É um daqueles lugares marcados pelas ruas de pedra (uma delas, a primeira rua calçada de Santa Catarina, onde o Imperador Dom Pedro II caminhou em terras catarinenses), alinhadas com casarios históricos de traços açorianos, que remetem a um tempo em que a Ilha de Santa Catarina descansava em calmaria, mas que lá, somente lá, em sua íntegra, está segura e assegurada.

Fruto da articulação de organizações governamentais, não-governamentais
movimentos sociais, estudantes e acadêmicos, pescadores, marcultores e representantes de comunidades tradicionais, que estão trabalhando juntos, em prol da preservação cultural, social e econômico de Santo Antônio de Lisboa.

E no que tange à gastronomia.....

Pirão de peixe, pastel de berbigão e ostras gratinadas à perfeição. Precisa mais¿

sábado, 31 de janeiro de 2015

Pão Anfitrião: farinha, água e fantasia, no caso, malte

Devo mais este experimento de farinhas (integral e branca 00), água e fantasia (nesta ocasião, malte) aos dedicados cervejeiros da cervejaria Anfitriã, que têm como líder o capitão Rodrigo, querido amigo, que se aplica, com vivacidade, a tudo que faz. Antes de debruçar-se aos estudos para a produção de cervejas, esmiuçava a fermentação dos pães, arte sempre partilhada comigo, inclusive em uma das fermentações de massa mãe - cultura caseira das leveduras -, que me acompanha até hoje.
Para este preparo, os ‘anfritões’ me cederam parte do mosto (mistura de maltes triturados com água), sobras de uma leva de Ametista (IPA) feita com maltes pilsen e amber. Tendo em mãos esta verdadeira joia, apenas uni meus conhecimentos adquiridos para preparar um pão de malte, repleto de fibras, com casca crocante e miolo macio. Hoje, preparei dois formatos diversos, mas a próxima fornada serão pequenos nacos para serem recheados com embutidos, legumes, folhas da horta e, ainda, bolinhos de Santo Abade, preparados com três tipos de carnes moídas  (boi, mortadela mais lombo de porco). Pronto. Uma dica do cardápio dos primeiros happy hours mensais que vão ocorrer no Pastifício.
Ingredientes
500 gramas de malte de cevada moído. Para a formada do dia, o mosto usado foi o de uma leva de Cerveja Ametista IPA, feita com maltes pilsen e amber.
700 gramas de farinha integral pura
3 colheres de açúcar mascavo
300 gramas de farinha de trigo forte 00
25 gramas de fermento biológico
400 ml de água em temperatura ambiente
5 colheres de sopa de azeite de oliva
1 colher de sopa de sal
Modo de Preparo

Agregar as farinhas (integral mais 00) ao malte, repleto de fibras. Agregar o açúcar mascavo, a água, o azeite. Misturar bem. Por último o sal. Sovar até incorporar todos os ingredientes. Descansar por 1 hora. Cortar nos pedaços que desejar enformá-los. Sovar novamente, dispor sobre as formas untadas com azeite, fazer leves cortes na superfície. 
Estes talhos vão proporcionar que o ar saia, conferindo aos pães rusticidade e crescimento superior. 
Cubra-os com um pano e deixe crescer novamente até que dobrem de tamanho. Asse-os em forno pré-aquecido até que fiquem em um tom uniforme. Nos 10 últimos minutos, aumente o fogo para que a parte superior fique dourada e ainda mais crocante. 

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Siri Manhoso


Quando criança, ir para o litoral era coisa para profissional. Não tinha essa de ficar se refastelando no sol à espera do bronzeado perfeito que se vai após alguns dias. Nossas escolhas eram a de quem fará qual das atividades lideradas pelo pai, entre elas fisgar peixes com os anzóis das longas linhas saídas dos molinetes; colher mariscos das pedras ou, quem sabe, manusear os puçás pra que voltassem repletos de siris. Como opção, também tinha a caça às rãs das madrugadas. Para tanto, a trupe toda, com a cozinha – na maior parte dos anos assim vividos – era liderada pela vó Maria e pela mãe. Essa etapa consistia, além do rango para alimentar perto de 10 pessoas, contando as cerca de 8h de grandes emoções vividas à beira mar, a limpeza e preparo dos anfíbios, as iscas de massinha para a pesca mais a conservação das carcaças de peixes dedicadas aos siris.

Simples arcos de ferros que amparavam pequenas redes, com a isca no fundo, os puçás sobrevivem aos dias de hoje, podendo ser adquiridos em quaisquer lojas de pesca. Naquele tempo, eram feitos pelo pai, nosso eterno herói.
Àquela época nunca imaginava como eram preparadas as casquinhas de siri, que, por vezes, víamos circular em corredores dos restaurantes onde devorávamos batatas fritas. Mas eram as de verdade. Não as processadas, pequenas porções de massas de batatas boiando em gordura. 
Bolinho de siri
Mas, voltando aos siris, anos depois – já nas alquimias dos panelões -, mais descobertas resultantes de pesquisas feitas na Paulicéia. Ainda longe dos experimentos (custosos à época), mas assídua de cardápios, livros, revistas e crônicas.....descobri as Desfiaderas de Siri. 
Dona Lenir de Oliveira Ceron, 60anos, 52 dedicados à profissão
A carne de siri pura, com alguns nacos de casquinhas, sim. Depois, vieram o antepasto de siri; os mini-bolinhos de siri; o arroz de siri, preparado com a carne dos ‘bichos mais a carcaça, quando se trata de siri-mole (siri-azul), entre outros.
Pastel de siri
Pastel de siri mais Siri Picante -  Do lado de cá dos Açores

Desta feita, ao lado de minha amada amiga Maria de Zimbros (Taís, da Pousada Zimbros), viciada de época nos crustáceos, fizemos uma verdadeira degustação de siri. Para o preparo, alho, cebola, cerca de 1 kg de tomates-cereja da horta da Taís, mais duas pimentas dedo-de-moça da minha horta, de Curitiba para Zimbros. Verde, muito verde (cebolinha e salsinha picadas). Para acompanhar, pão de centeio feito por ela. No outro dia, logo cedo, o preparo de 'siri  picante' que restou viajou e se tornou recheio de pastel, de massa já adquirida pronta, mas frita com todo louvor.
Cinco quilos de siri, bem trabalhados, rende um quilo de carne pura
A iguaria limpa à perfeição é resultado de árduo e moroso trabalho de famílias inteiras, que se dedicam à atividade, com extrema perícia. A desfiadeira Lenir de Oliveira Ceron, 60 anos - 52 deles dedicados à profissão, exerce com extrema habilidade, sempre com um sorriso no rosto, a 'limpa dos bichos', que representa o que há de mais autêntico da cultura açoriana na  gastronomia do estado. “Em média, cinco quilos de siri, bem trabalhados, rende um quilo de carne pura, praticamente sem casquinha (resíduos da carapaça do crustáceo). Se a tarefa  for feita com dedicação, capricho e habilidade, pode ser realizada em uma hora”, detalha Lenir, que tem como ajudantes seus filhos (sete) e o marido. As mulheres desfiam e os homens catam, com o puçá, todos os dia do ano. A exemplo de outros frutos do mar, o siri é muito perecível. "Para garantir a qualidade do produto final, coloco na panela os que chegam vivos e cozinho até dar o ponto. Depois, o próximo passo é lavar em água corrente e colocá-los imediatamente no gelo".Só depois de frios, os crustáceos começam a ser desfiados. 
Siri cozido no próprio caldo 
O siri Candeia* (crustáceo abundante do verão, nas águas de SC) é o mais apropriado para ser degustado naco por naco, já que tem muita carne nas patolas e as carcaças podem ser mordidas inteiras. Como tínhamos um bocado de Candeia fresco separamos quatro 'bichos' para cada pessoa. Numa panela alta, colocamos cebolas, alho-poró em lâminas, alho, sal, pimenta fresca e verde. Depois de 15 minde cocção, com a  panela tampada, acrescentamos uma lata de cerveja e cozinhamos mais 20 minutos. Reza a lenda que a cerveja colabora com a retirada da carne das carapaças. Lenda é lenda. Então, sigo à risca. Resultado da cerveja ou não, a carne saiu facilmente.

Ensaio sobre os sorrisos, de que tanto sinto saudade

Este post não mostra apenas uma receita de comida, mas, também, uma declaração de satisfação pelo que faço, já que considero que a boa comida e o sorriso são inseparáveis. Toda vez que observo alguém degustando algo que preparo percebo um aconchego inigualável. Neste ensaio fotográfico abaixo (com a presença do querido casal Johnny e Célia, pais dos pequeninos Théo e Dora), esse relato é evidente. Cardápio improvisado, um bom vinho e um aquecedor a gás para receber companheiros de vida. Pessoas que vão além do grande amigo, mas que acompanham suas felicidades, dores, sorrisos, intempéries, entre tantas outras coisas. Degustamos a tradicional Minestra de Lentinhas com Costelinhas de porcotorradas (inspiridas nas tradicionais panzanellas do Jamie Oliver), queijos, um carbonara com pancetta. Precisa mais?








Minestra de lentilha com defumados
Ingredientes (para 4 pessoa)
500g de lentilhas
100g de costelinha suina defumada (com os ossos)
Algumas fatias de linguiça calabresa
Suco de uma laranja
1 col de sopa de cominho em pó
1 col de sopa de páprica picante
1 pitada de sal
pimenta do reino moída na hora
5 col de sopa de aziete 
1 litro de Caldo de legumes
2 cebolas
1 punhado de manjericão (cerca de 8 folhas) 
Uma cenoura, cortada  em cubos
Azeite de Oliva
Doure a cebola e a cenoura no azeite de oliva. Acrescente as costelinhas, a calabresa, o cominho e a páprica. Doure alguns minutos e acrecente um pouco de caldo, só para que o sabor dos temperos incorpor às carnes. Coloque as lentilhas e a cenoura em cubos,- frite mais uns 2 minutos . Aí é a vez do suco da laranja e, por fim, o caldo de legumes. Cozinhe em fogo brando, até a lentilha ficar macia e a costelinha tenra, se desprendendo do osso.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Com fubá e com afeto

Não é de hoje que, em minha vida, o fubá de milho é emblemático. Sempre foi um componente de receitas carregado de histórias de amizade, de saberes, de sabores e, por vezes, destinado à subsistência. No que se refere à amizade, por ser ingrediente principal do bolo de fubá, se tornou um presente, dos mais requintados. Na década de 70, anos áureos de minha infância, a vizinha Jura preparava uma das melhores versões que já degustei. Duas ou três vezes na semana, a Jura, melhor amiga da mãe, nos chamava para ir buscar a delícia: o cremoso bolo de fubá da Jura. Qualquer naco do quitute exibia camadas diversas, sendo uma delas cremosa, na qual o queijo mais o coco ralados se agregavam proporcionando à delícia um toque salgado. Ainda se tratando de amizade, nossa querida amiga Luzinha, exímia cozinheira, também moradora da Vila Ida, nos presenteia rotineiramente com seus preparos, sempre recheados de saúde, elaboradas sem glúten, pouco açúcar, mas repletos de sabor. Esta semana, a versão da vez também foi a cremosa, com queijo ralado, mas a que prevalece no repertório dela é com sementes de erva-doce, sem o queijo.
Saberes
Dos saberes, ainda hoje, escrevendo este post, não me contive e liguei para a vó Maria. A sábia senhora de 88 anos, que se aposentou como merendeira, a merendeira exemplar, não poupa palavras quando se trata de relembrar histórias de vida. “Minha filha, você lembra quando a vó plantava milho no quintal? No dia que a vó colhia era dia de festa. A vó colocava o panelão no fogareiro do quintal de terra batida, cozinhava e vocês comiam. Enquanto isso, a vó ficava tocando gaitinha de boca pra vocês. Tempo bom. Agora, peço pra alguém me trazer semente pra eu plantar, mas ninguém lembra. Mas já, já a vó consegue e te chama pra panelada de milho”.
Receitas
Bolo de Fubá Cremoso sem Glúten da Luzinha (Lu Martins)
Ingredientes para a primeira etapa
4 ovos
2 xícaras de leite
3 xícaras de açúcar (usei somente 2)
2 colheres (sopa) de margarina
Bata no liquidificador
Passe a mistura para uma tigela e agregue
Ingredientes para a segunda etapa
1/2 xícara de amido de milho (maisena)
2 xícaras de leite
2 xícaras de fubá
1 e 1/2 xícara de coco ralado (+/- 100 g)
1/2 xícara de queijo ralado (50 g)
1 colher (sopa) de fermento em pó.
Apenas misture!
Coloque em uma assadeira grande (40x28cm) untada e enfarinhada (com fubá). Leve ao forno pré-aquecido por 45 minutos ou até que um palito, depois de espetado na massa, saia limpo.
Retire do forno e deixe esfriar.

Bolo de Fubá tradicional da Luzinha (Lu Martins)

4 ovos
2 xícaras (chá) de açúcar 
2 xícaras (chá) de farinha de trigo 
1 xícara (chá) de fubá
3 colheres (sopa) de margarina
1 xícara (chá) de leite
1 colher (sopa) de fermento em pó
Modo de Preparo
Bata as claras em neve. Acrescentar o açúcar.
Adicione aos poucos as gemas, a margarina, o leite, a farinha de trigo, o fubá e continue batendo;
Por último agregue o fermento misturando com uma colher ou espátula;
Coloque a massa numa forma untada e asse em forno médio pré-aquecido por aproximadamente 30 minutos ou até que, ao espetar um palito, este saia limpo.
História
O f
ubá é a farinha de milho ou dearroz obtida a partir da moagem desses cereais. Nas Américas em geral e no Brasil em particular o mais comum é o obtido do milho, que, na história alimentar do país, sempre foi presença na alimentação indígena. 

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Tender Bolinha na área




Natal 2014,
em 23 de dezembro
Para, sempre, termos e sermos ...
‘Certas Esperanças’
Com Saboias, Bassos, Pasqualinis mais Brasils , Ferreiras e os mais que bem-vindos
Agregados


O Natal 2014,
em 23 de dezembro
Para, sempre, sermos e termos ...
‘Certas Esperanças’
Com Saboias, Bassos, Pasqualini mais       Brasils , Ferreiras e os mais que bem-vindos
Agregados
CARDÁPIO
Entradas Beringelas crocantes, finalizadas com castanha-de-caju; Sardela; Pasta de salmão defumado;
FRUTAS DA ESTAÇÃO.
Para Acompanhar Crostini.

Para Começar Tender dourado, servido em fatias sobrepostas com lâminas de legumes grelhados e finalizado com lentilhas da sorte e ervas frescas

Mais Farofa de alho

Para Continuar Pernil  de cordeiro temperado com cinco especiarias, assado morosamente com legumes, chega à mesa dourado, regado com a redução do próprio caldo do cozimento;
Para Acompanhar 









Fettuccini na manteiga, salpicado com queijo parmesão. 

Salada da horta regada com molho cítrico e castanhas.
 Para Adoçar
Torta Banoffi alla Ferreira
Bolo MAIS FELIZ DO MUNDO para felicitarmos ao  Novo Ano que se aproxima de Carla Sabiia e ao Nosso Ano Novo

Natal dos Saboia, Basso, Ferreira, Silka Brasil, Pasqualini e Tempesta
No ranking dos históricos encontros natalinos do Pastifício Dell'Amore, já que ocorre  há mais de uma década, este consta entre os mais divertidos, sarcásticos, repletos de som e fúria, lágrimas e sorrisos...mas, raramente com a ausência de um dos participantes. Tornou-se emblemático. Não só pela diversidade de pessoas - apesar de poucas, mas pela pluralidade de personalidades e histórias diversas. 
Os itens do Cardápio pouco variam. Apenas o modo de preparo, já que sou a encarregada desta etapa. Carla Saboia fica com a decoração. A dupla Marcos Saboia e Felipones se encarregam do Bullying de tudo e todos. 
Desta feita, infelizmente tivemos quatro baixas, não só no que tange às pessoas, mas, também, ao prato que fica a cargo da responsável pelo trio, o tradicional empadão de Bacalhau dos Ferreira, elaborado por uma quituteira de mão cheia,que infelizmente ainda não conheço, mas que vai ter de se comprometer com a Eli Ferreira mais  Zé Carlos Fernandes (respectivamente prima e irmã) de nos passar a receita para aqui ser detalhada. No momento da refeição Não senti falta. mas e o naco do dia seguinte. Este....jamais sairá do desejo.
Bom, já que para mim, atualmente detalhar receitas também se tornou ato de contar histórias que as permeiam, vamos ao ....
Tender Bolinha.
Este naco de presunto em forma de bolinha nunca me atraiu muito. Mas, como faz parte do nosso cardápio, fui em busca de ingredientes  e formas diversas de preparo. Lógico que, como de costume, li uma receita adorável tirada do meu acervo de revistas, de um dos chefs de cozinha de que mais admiro preparos, Salvatore Loi. Mas, no momento do preparo, faltavam 50% dos ingredientes para a finalização da bolinha. Então, usei o princípio de Salvatori Loi e , no mais, segui o instinto: uma peça dourada, sem o doce convencional que domina as os cardápios natalinos. Apenas derreti manteiga e azeite no forno e besuntei a peça, já com cortes permeando-a por inteiro. Besuntei com um pincel a bolinha toda e coloquei no forno por 30 minutos. Passado este tempo, reguei balsãmico na forma, misturando-o à manteiga, e tornei a besuntar. Cobri com alumínio e mais 30  minutos de forno. Tireui, conferi. Deixei descansar. Peguei o pincel e mais uma vez passei-o no caramelo formado no fundo da forma e pintei cada pedacinho do naco de carne. 
Depois, cortei em finas lâminas, reguei com o caldo do fundo da forma, acrescido de um pouco de caldo de legumes na boca do fogão. 
Pois ficou perfeito.
Sem o doce; sem os cravos que a cada mordida incomodam a degustação e só servem para a foto. Com lentilha e farofa de alho harmonizou perfeitamente.

FELIZ NATAL A TODOS COM...CERTAS ESPERANÇAS. SEMPRE. COM AMOR, JOSI. 

sábado, 6 de dezembro de 2014

Bobozinho de mandioca-salsa com camarão mais farofa de dendê...e... 6 ANOS DE BLOG...UEBAAAAAA

Assim como a receita do Bobozinho de camarão elaborado com mandioquinha-salsa remonta aos primeiros cardápios do Pastifício Dell’Amore, onde o quitute em questão era presença constante, o arquivo de delícias aqui relacionadas descrevem não só o passo-a-passo dos preparos, mas, também, as histórias de vidas que no Pastifício Dell’Amore partilharam momentos. Desde o dia 28 de outubro de 2008, com o propósito de detalhar as ‘viagens’ diárias em torno de ingredientes que compunham receitas, cultivos de sementes, mudas, composição de ingredientes, diário que passou a substituir as dezenas e dezenas de cadernos enumerados há anos para que nada se perdesse no tempo......
Fiori de Fillo
Os contos com pitadas de comédia sobre as dezenas de empadões, empadinhas e coxinhas com recheio de frango com queijo provolone produzidos diariamente e vendidos em São Paulo com a ajuda da amada amiga Alessandra Casolari e a mãe Luci. Afinal a renda obtida com as delícias me proporcionaram cursar a faculdade e viver o início de um pedaço de vida na Paulicéia.

Enfim, até as literais viagens para mergulhar a fundo na essência dos pescados (Zimbros, nosso paraíso mediterrâneo), dos insumos, do Agriturismo. Do passar horas e horas corridas sob o sol da Toscana preparando corredores para cultivo de víveres, tendo como base o esterco dos asnos, que é adubo de alta qualidade. 
Rino - Agriturismo Il Borgo Della Colomba

Sem falar nos estudos diários, que, em paralelo à comunicação, me fizeram voar para ‘pilotar’ o fogão para cozinhar, inventando e reinventando a roda  para criar algo a partir do nada......Qual o cardápio do jantar? Abre a geladeira e dá um jeito!!!! É o que temos para hoje!!!!!!
Somados aos estudos práticos, horas e horas diárias, que nunca abandono, em torno de livros escritos por especialistas em massas; pescados; histórias da alimentação...das aulas sobre produção de massas com a amiga Lucia Sequerra....Afinal, não é só com sobras de geladeira que  conseguimos elaborar um jantar dos Deuses, e nem apenas lendo receitas, mas com a soma de esforços para aperfeiçoar nossos aprendizados e com nossas histórias de vida agregadas e compartilhadas. Por fim, vamos à receita do prato, que há mais de dez anos preparo: o Bobozinho de mandioca-salsa com camarão mais farofa de dendê, que fez parte de mais um cardápio ‘PARA BRINDES ENTRE ETERNOS AMIGOS’, com Lorraine e Fanini,  Fernando Flicks e Fabi Moro Martins; Rafaela, Cons e Du, Líria e Hélio, Mara e Cláudio, mais........

Bobozinho de mandioca-salsa com toque tailandês
Ingredientes (para 5 pessoas)
2 kg mais 1/2 de mandioquinha-salsa descascadas;
1 l mais ½ de caldo de camarão, com campim-cidreira mais gergelim picado.
200 ml de leite de coco
Para o Caldo: elaborado previamente com as cascas e cabeças frescas de camarão, lavadas e escorridas; cebolas; alho-poró; salsão; cenoura cortada em cubos;  alho esmagado (3/4 dentes); bulbos de capim-cidreira - talos bem frescos e verdes (umas duas colheres de sopa);  gengibre fresco cortado em cuinhos, com a casca ( 3 colheres); azeite de oliva e um buquê garni (tomilho, salsinha, alecrim, duas folhas de louro fresco (já que tenho o luxo de ‘roubar’ umas folhas da pequena, mas linda árvore da Lu e da Sil). Enrolar as ervas em uma meia casca de alho-poró, amarrar com barbante); um copo de vinho branco seco. Aquecer azeite, agregar cebolas, alho, erva-cidreira, gengibre. Logo em seguida, colocar as aparas de camarões e os legumes.
Ferver, sem deixar borbulhar, por 30 minutos. Escorrer numa peneira fina e reservar.
100 ml de leite de coco;
Noz-moscada, sal e pimenta-branca.
Modo de Preparo
Após o caldo de camarão estar peneirado, aquecer e cozer a mandioquinha-salsa no caldo, cobrindo todos os nacos. De outra forma, finalizar com água morna. Acertar o sal.  Quando estiverem cozidas ao dente, provar o sal, temperar com a noz-moscada e a pimenta-branca. Deixar esfriar e bater no liquidificador com o caldo, que vai estar bem agregado ao tubérculo. Enquanto estiver batendo, para que não force o liquidificador, agregue o leite de coco.
Incorporo bem. Devolva à panela e cubra com filme plástico para não formar uma película por cima.
à parte, lave bem o camarão, escorra e tempere-os com pimenta e sal. Reserve.
Cinco minutos antes de servir, aqueça o bobó de mandioquinha-salsa e agregue os camarões. Deixe-os por, no máximo, cinco minutos no caldo encorpado. De outra forma, não vão preservar a textura.
Salpique em cada porção a farofa de dendê, preparada com 50 ml de dendê, 1 cabeça de alho com os dentes cortados em lâminas e dourados no dendê o lado da uma pimenta fresca, ou seca, mas da horta, de sua preferência.
Acrescente a farinha de mandioca aos poucos, em fogo baixo. É muito fácil de queimar no fundo. Então, mexa rapidamente, acerte o sal e deixe reservada para o momento do preparo.