sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Bolinhos de peixe com quinoa


Do Andes peruanos ao nível do mar do sul do Brasil, o brilho dos alimentos cultivados e colhidos com primor proporciona resultados sem igual. Nesta receita – que une filés de pescada-amarela recém capturadas pelas mãos dos habilidosos profissionais da pesca de Zimbros (Evandro e sr. Cido), aos grãos de quinoa orgânica cozidos no vapor (da Vapza) –  o bolinho de peixe reina soberano como aliado da alimentação saudável. Os dois ingredientes ganham ainda mais sabor graças ao processo de cocção (são rapidamente assados, em forno elétrico) e dos temperos agregados. Então, vamos aos quitutes, que podem ser degustados sem culpa na Folia de Momo, que já está a reinar nas ruas e passarelas do samba de todo o país.
Ingredientes (para 70 mini bolinhos)

500 gramas de filés de filés de pescada-amarela, livres das espinhas e limpas à perfeição, como manda o figurino da dona Benta e sr. Cido;
250 gramas (1 caixinha) de quinoa Vapza orgânica, já cozida no vapor;
3 tomates sem peles e sem sementes (ou, ainda, ½ lata de tomates pelados);}
3 cebolas bem picadas;
3 ou quatro dentes de alho picados;
Folhas de manjericão rasgadas;
Azeite o quanto bates para cobrir o fundo da panela;
Três colheres de farinha de trigo para que mistura de peixe e quinoa consiga ser moldada;

 





Modo de preparo – Temperar os filés com sal e pimenta. Depois, regar uma panela de fundo grosso com azeite e dourar a cebola e o alho. Agregar o peixe e o tomate.  Abaixar o fogo e deixar cozer lentamente, até que os nacos se desmanchem. Coloque a quinoa. Mexa delicadamente. Acerte o sal. Ao final, coloque vagarosamente o trigo, e apenas misture-o até que se dissolva no cozido de delícias. Deixe esfriar e molde delicadas bolinhas. Asse por 10 minutos em forno pré-aquecido (180ºC). 



Rubia a espera de um descuido


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Cozido de Grelha para cobrir gnocchi de batata


É no arroz de carreteiro que os nacos de carnes não devorados nos tradicionais churrascos aportam com maior frequência. Mas é neste 'Cozido de Grelha', onde os pedaços variados de boi e de porco não assados, assumem personalidade única. Para começo de conversa, o menos é mais. Então, antes de colocar tudo o que tem à disposição na grelha, reserve algumas partes de cada pedaço do emblemático evento. Isso é questão de ordem, já que n’outro dia haverá uma opção sem igual para compor o cardápio. Do tradicional filé com mignon, passando pelas ‘bananinhas’, linguiças e costelinhas suína. Todos vão para a panela juntos, principalmente os ladeados por ossos, já que vão proporcionar sabor sem igual ao prato. Para a ocasião, dois gomos de linguiça suíça cortados ao meio; dois finos filé com mignon (com os ossos) e cerca de 500 gramas de bananinha. Basta tirar o excesso de gordura de cada corte e ter à mão 300 ml de molho sugo elaborado com tomates pelados. Se não tiver, opte por uma lata de tomate, que será agregada às carnes.
Cozido de grelha
Modo de preparo  e ingredientes

Retire o excesso de gordura das ‘bananinha’, de dois finos filé com mignon’ e corte dois ou três gomos de linguiça ao meio. Se tiver outros cortes de carne, também vale!!
Pique duas cebolas, alguns dentes de alho e uma pimenta dedo-de-moça. . Em uma panela de pressão, regue um fio de azeite e doure as cebolas, o alho e a pimenta. Agregue as carnes e deixe dourar, mexendo e remexendo lentamente em fogo baixo. Coloque uma 
e uma folha de loro; se começar a grudar no fundo, coloque um pouco de água quente (o suficiente para ir deixando o molho cor de ferrugem). Misture 300 ml de molho sugo ou uma lata de tomates pelados (neste caso, tempere com uma pitada de sal e outra de açúcar para equilibrar a acidez). Se estiver usando panela de barro, este toque é dispensável. Feche a panela e cozinhe em fogo baixo por 20 minutos após pegar pressão. Abra a panela, elimine os ossos, acerte o tempero e, caso não esteja encorpado, deixe cozer por mais alguns minutos com a panela aberta e fogo baixo, mexendo sempre que necessário.
Para acompanhar, gnocchi de batata 

1 kg de batata asterix (que são mais firmes), cozidas ao dente, com casca
300 gramas de farinha de trigo
1 gema de ovo
sal e noz-moscada
Sempre tenho dificuldade em preparar nhoques (gnocchi), sem que se quebrem quando vou enrolá-los – a exemplo de um mini rocambole,  para, depois, cortá-los em pequenos pedaços. Percebi que o problema são os grumos de batatas que restam durante o processo de amassar os tubérculos Então, o segredo é cozer as batatas com casca para não encharcar, ou assá-las; depois, remover a casca e, ainda mornas, passá-las em um bom amassador. Esse processo é fundamental para facilitar a formação das longas 'cobrinhas'. No mais, é acertar os temperos, agregar a gema caipira, a farinha e incorporar bem, com as mãos. Não amassar por demais. De outra forma vai ativar o glúten que vai deixar a massa mole. Corte em pequenas bolas e estique-as com as duas mãos enfarinhadas. Depois de cortá-las, coloque em água fervente em pequenos bocados. Quando subirem à superfície, retire e coloque-as em um recipiente com água e gelo para que o cozimento seja interrompido.

Os gnocchi serão aquecidos quando agregados ao molho fervente antes de chegarem à mesa.

domingo, 3 de janeiro de 2016

Entardeceu, logo anoiteceu e um novo ano amanheceu!!!










Entre Doces pudins, Calorosas ministras, Suculentos filés, Crocantes e Macias focaccias, peixes perfeitamente Chamuscados na brasa, salsas e pestos Díspares, lasanhas Delicadamente montadas, vôngoles estourados como pipocas para ilustrar comemorações sem igual. Hummmmmmmmm, e as ostras gratinadas¿ As minis lulas salteadas? As paletas de cordeiro morosamente assadas e servidas com fettuccine ao dente!! E nessa lista a ‘vaca na breja’ (recheio de sanduba que se tornou hit do Pastifício) merece destaque.

Tudo entre incontáveis tilintares de taças, que marcaram momentos para lá de especiais. Do primeiro casamento realizado(Aninha e João Victor) a aniversários de pessoas incríveis, que no Pastifício reuniram seus amigos, familiares, filhos.... deixando, no Jardim das Delícias, um pedacinho de suas histórias de vidas (Carol Preussler, Rod Gonçalves, FabiMoro Martins.......). 
Sem falar dos que de outros estados vieram para, por aqui, recarregar suas energias e iniciarem novos ciclos de vidas, e com as mãos, literalmente, na massa (Alê Casolari). 

Há também os que elencaram o ‘canto dos encantos’ como lugar para celebrar os momentos cotidianos da VIDA, que merece ser comemorada (Luciana Dias, Giovana, Elaine Minhoca de Lemos, Adri Perin..). E cada encontro, cada momento, cada celebração foi vivenciada de forma única em todos os âmbitos. Nunca esquecendo do apoio e compreensão de nossas famílias, que comemoram em datas diversas como rituais. 
Faço esta retrospectiva pensando que este é um dos presentes que Deus nesta vida me deu, porque, considero que para se viver serenamente – na verdade que nos é apresentada a cada amanhecer – ter de haver verdade, respeito, parcerias, cumplicidade e satisfação, seja entre sorrisos ou lágrimas, que se esvaíram entre brindes e quitutes. Obrigada a todos que em 2015 compartilharam seus momentos de vida no Pastifício Dell’Amore, direta ou indiretamente. 










Sem esquecer das ‘formiguinhas’ da Vila Ida, pois, juntas, estamos construindo acontecimentos díspares (dos doces e salgados livres de glúten e lactose, arranjos de flores elaborados especialmente para os eventos, até os canteiros de ervas, tubérculos...). De minha parte, graças a energia de todos, iniciei um Novo Ciclo repleta de energia e satisfação, disposta a colorir meus dias com novas cores, saberes e sabores, já que para o ciclo fechar, mais presentes recebi. 














Felizes até breves (Lara Lima Feliz; Célia e Johnny Drescher Miranda); visitas inesperadas de amigos para anunciar que ao encontro de novas empreitadas se vão; ou, ainda, os amigos do coração, que histórias de vidas compartilham e, simplesmente, no sofá se aconchegam para a alma acalentar. Sem jamais esquecer das comemorações natalinas já consagradas - o Natal dos Simpsons, (Saboia Silka Brasil).
                







E como não poderia deixar de ser, tristes despedidas, mas profundamente partilhadas. Amém.

domingo, 27 de dezembro de 2015

Final Feliz com camarão imperial



Não importa o prato. O que prevalece é o desejo de fazer a mesa do último dia do ano brilhar. Seja da terra, do mar ou do ar, para a ocasião em questão, os ingredientes utilizados ganham mais atenção, mais classe e sobem no pedestal. Afinal, não há nada mais reconfortante do que degustar uma comida boa - daquelas que fazem os olhos fecharem a cada garfada -, no início de um Novo Ciclo. De uma farofa especial a um naco de carne grelhado, a atenção no preparo é redobrada. E se o ingrediente escolhido for o camarão, segue a sugestão: o Camarão Imperial. Para o preparo, apenas alguns graúdos (quatro deles, cortados ao meio). No mais, 400 gramas dos médios, limpos e abertos em ‘borboleta’. Em uma travessa, distribuir, na primeira camada, os camarões médios já salteados na manteiga e temperados com tomilho-limão e sal. Sobrepor os grandes, fatiados, também rapidamente dourados na manteiga. Para finalizar, 250 ml de bechamel 
Molho Bechamel 
(1 colher de manteiga, uma colher de farinha de trigo e noz-moscada ralada. Agregar os dois ingredientes em fogo baixo com um 'arame' - foie. Acrescentar 200 ml de leite fervido, ainda quente. Mexer bem, até adquirir consistência cremosa, sem deixar muito grosso. Caso ocorra, coloque um pouco mais de lente quente. Acerte o sal).
Finalização
Distribua o bechamel sobre os camarões, finalizando com uma colher de queijo cremoso e parmesão ralado grosso. Coloque no forno até gratinar (cerca de 10 minutos, com forno já previamente aquecido)

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Arroz lambe-lambe com ‘roupa de festa’


Ingredientes
(para quatro pessoas)½ quilo de vôngoles (com as cascas bem lavadas e toda a areia removida)
erva-doce ou funcho
250 gramas de mariscos na casca (lavados, com todas as crostas das cascas removidas)
1 xícara mais ½  (chá) de arroz parboilizado
1 xícara (chá) de vinho branco, seco
1 cebola grande picada
dois dentes de alho picados
½ maço de folhas de erva-doce (também conhecido como funcho) rasgados na mão
Azeite de oliva o suficiente para cobrir o fundo de uma panela de fundo grosso e bordas altas
1 colher (sopa) de manteiga sem sal
1 litro de água
duas folhas (brotos) de limão-siciliano ou, ainda, limão-cravo, mas recém-nascidas
raspas de ½ limão siciliano mais o suco, livre das sementes
1 naco de gengibre fresco ralado (cerca de uma colher de sopa)
1 naco de cúrcuma fresca relada (se não encontrar a raiz, pode agregar uma colher (chá de pós de cúrcuma)
sal
Dois tomates, sem sementes, cortados em pequenos cubos


Modo de preparo
Forre uma panela de fundo grosso e bordas altas de azeite de oliva. Doure o alho e a cebola. Agregue os vôngoles e e os mexilhões. Mexa e remexa. Tampe a panela. Assim que aquecer bem em chama forte (5 minutos) abra e coloque o vinho. Tampe de novo. Os moluscos começarão a ‘pipocar’ na panela. Com as duas mãos, segure firme a panela e chacoalhe bem. Depois, abra novamente,coloque as folhas de limão e o gengibre. Deixe por mais alguns minutos. Reserve os mexilhões (pois as grandes conchas vão impedir que o arroz cozinhe no tempo adequado). Agregue o arroz, salpica o sal, mexa bem e cubra com a água. Assim que o arroz estiver ao dente, ainda com água na panela, volte os mexilhões e coloque a manteiga. Mexa e remexa, desligue o fogo. Coloque as raspas de limão-siciliano e também o suco de ½ limão-siciliano. Rasgue as folhas de erva-doce e sirva distribuindo bem os moluscos sobre um dos pratos. Salpique com os cubinhos de tomates e regue com azeite de oliva.  Sirva imediatamente. P
ara quem desejar, finalize com queijo parmesão.

sábado, 5 de dezembro de 2015

Para um dezembro repleto de ‘Certas Esperanças’, delicados petiscos de massa filo

Fiori de Filo com recheio de frango, queijo cremoso e especiarias
Neste período em que a temporada de festas está aberta, é preciso, é mais do que preciso, parafrasear Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto) na crônica ‘Certas Esperanças’*,  “É preciso — é mais do que preciso, é forçoso — dar boas festas, trocar embrulhinhos, querer mais intensamente, oferecer com mais prodigalidade, manter o sorriso e, acima de tudo, esquecer tristezas e saudades.... Que não me falte aquele almoço honesto dos sábados” ...- e quitutes como estes, que possamos preparar, e... “Nada de coisas impossíveis para que a vida possa ser mais bem vivida. Apenas uma praia para janeiro, uma fantasia para fevereiro, um conhaque para junho, um livro para agosto e as mesmas vontades para dezembro....No mais, continuarei a manter certas esperanças inconfessáveis porém passíveis — e quanto — de acontecerem”.
Para tanto, façamos a mesa estar sempre com um brilho a mais, com delicados quitutes preparados com esmero, recheados com ervas e especiarias e finalizadas de forma a fazer o próprio prato parecer um presente. Com a massa fillo, isso é possível. Basta preparar três ou quatro recheios diversos e moldar as finas folhas de massa com cuidado e habilidade. Ela deve permanecer congelada e durante o uso sempre coberta com um pano úmido. Pode ser adquirida em comércios diversos, bem como a base que usei para rechear as pequenas delícias. No caso, fiz uma de milho fresco, ralado da espiga, outra de Bacalhau e, para completar, Frango à moda indiana. Prepare os recheios e apenas na hora em que vai moldar a massa desembrulhe as folhas de massa Fillo, retiradas do congelador 30 minutos antes da manipulação. Depois de descongelada, não pode retornar ao freezer, mas dura até uma semana se bem armazenada na geladeira. Desta forma, reserve a massa enquanto prepara os recheios.
Frango à moda indiana
·                     250 gr de peito de frango desfiado;
·                     1 cebola roxa bem picada;
·                     azeite de oliva para refogar a carne;
·                     pimenta e sal;
·                     uma pitada de curry;
·                     uma pitada de cominho;
·                     uma pitada de canela em pó;
·                     uma folha de limão moída na ponta da faca;
·                     um maço de tomilho-limão;
·                     um naco de gengibre fresco ralado;
·                     100 gr. de noz moída (pode moê-la na mão para que não se esfarele).
·                     Sementes de mostarda para decorar
Aqueça o azeite e coloque as especiarias para que os aromas sejam potencializados. Agregue a cebola e deixe murchar. Em seguida, o gengibre, a folha de limão e o frango já cozido e desfiado. Refogue por três minutos. Tempere com pimenta moída na hora e acerte o sal. Finalize com duas colheres de queijo cremoso (requeijão, cream cheese, ou o de sua preferência) . Deixe esfriar antes de rechear a massa.
Creme de Milho
·                     100 gr de queijo cremoso
·                     Duas espigas de milho cozidas, debulhadas levemente com uma faca.  Passe rapidamente pelo processador, tempere com sal e noz-moscada. Misture com o queijo cremoso e preencha as folhas de massa com o creme. O formato de flor é o mais delicado e belo. Páprica picante para decorar
Brandade de Bacalhau (para mim, um creme delicioso de bacalhau com batatas)
Ingredientes
·         400 g de bacalhau desfiado cozido com batatas (uma embalagem Vapza)
·         5 dentes de alho 
·         3 cebolas caramelizadas – cortadas em lâminas e fritas lentamente no azeite
·         1/3 xícara de nata
·         1/3 xícara de leite
·         Tomilho-limão
·         suco de 1/2 limão (o que tiver à mão – pode ser o limão-cravo ou o siciliano..)
·         Pimenta dedo-de-moça
noz-moscada ralada na panela
azeite para dourar o alho 
·         2 fatias de pancetta ou bacon com pouca gordura (esse não faz parte da receita tradicional, mas proporciona um sabor sem igual)
Modo de Preparo
Brandade de bacalhau
Doure o alho no azeite, agregue a pimenta dedo-de-moça, a embalagem de bacalhau  Vapza (400 gr. de bacalhau dessalgado, desfiado e cozido no vapor com batatas) e as cebolas caramelizadas. Assim que os ingredientes estiverem bem incorporados, coloque o leite e a nata. Mexa bem. Finalize com o suco de limão, tomilho-limão e azeite. Com um processador, faça um creme, deixando pedaços. Ficam deliciosos quando mordidos no recheio
Erva-doce picada para decorar.
Preparando as folhas de fillo em formato diversos
Trabalhe rapidamente e cubra as folhas que não estiverem sendo usadas para evitar que sequem, pois pode ficar difícil o manuseio caso elas endureçam. Use azeite, óleo de nozes ou manteiga clarificada para polvilhar a Fillo antes de assar as massas salgadas. Sobreponha quatro folhas, untando, com um pincel, cada uma delas. Ao fim, passe uma faca afiada. O rendimento de cada camada de folha vai depender do formato que optar. Três Fiori ou dois ‘embrulhos’.  Distribua os recheios, una as pontas pressionando com os dedos úmidos formando flores. Com um pincel, besunte as bordas e salpique com as especiarias indicados, conforme o recheio em questão. Para o frango indiano, as sementes de mostarda, para o creme de milho, a páprica. Já para o brandade de bacalhau, as folhas de erva-doce. Uma dica importante é não deixar o recheio muito úmido (a exemplo de quando vai fazer uma torta de massa folhada. Assim, não vai umedecer a massa fillo, mantendo-as crocante a cada bocada. Coloque em forma untada. Asse em forno pré-aquecido em potência média (180 Cº), até que fique crocante e douradas – em média, 15 minutos. Se o forno tiver dourador, ligue-o nos 5 últimos minutos.




*A crônica Certas Esperanças foi publicada na revista "Manchete" nº. 193, de 31/12/55.
http://www.releituras.com/spontepreta_esperancas.asp

sexta-feira, 20 de novembro de 2015

A erva de um doce verão


A erva-doce é tempero certo para dar frescor a receitas e crocância a infindáveis pratos. Com textura similar à do aipo e da acelga, mas de sabor adocicado e levemente picante, costuma ser consumida, quando crua, na forma de saladas ou de entradas. As suas folhas maceradas agregam sabor sem igual a um pesto de hortelã elaborado com alho, finalizado com azeite. 
salsa de hortelã com erva-doce
Salsa de erva-doce para uma salada de tomates

Com um maço de folhas da erva, também conhecida como funcho, costumo preparar uma salsa de sabor sem igual. Na ponta da faca, pico-as com um pequeno filé de aliche, duas bagas de alcaparra, um dente de alho, um naco de pimenta fresca e um fio de azeite. No final, já em um recipiente, agrego suco de limão e o dobro de azeite, quando comparado à quantidade do ácido. Acerto o sal e rego sobre tomates cortados displicentemente. Para finalizar, cubos de pão torrado. 

ceviche de peixe-branco e camarão. Erva-doce é o tempero
O último feito com as folhas, foi usá-las para temperar um ceviche de peixe-branco e camarões. Ficou sensacional.












porco celestial. Temperado com erva-doce, alecrim e alho
Já o bulbo...O bulbo, cru ou cozido, tem uma crocância, um perfume e um frescor que aguçam a imaginação. Quando cortado finamente pode ser salteado rapidamente no azeite e acompanhar carnes e peixes. Quando assados, embrulhados em papel alumínio, mudam de sabor e podem ser prato principal.

As sementes, quando secas, macero com alho e azeite e elas se transformam em tempero certo para a carne de porco. Após fazer uma pasta, massageio todo o pedaço do suíno que vou usar. Terá lugar de destaque nas festas de final de ano. 

Já no preparo de pães, quando o recheio é linguiça calabresa, finalizo-o salpicando as sementes, antes de levá-lo ao forno.
É de fácil cultivo, gosta de sol e cresce rápido por demais.
Bom apetite!!



quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Vôngoles, relíquias das águas catarinenses

Celebrar datas ao lado de pessoas que fazem parte de nossas histórias por meio do preparo de refeições, a meu ver, é similar à finalização de uma colcha de retalhos. Os pedacinhos de panos diversos emendados com finas linhas são como nossas vidas - concebidos com o passar dos dias, dos meses, dos anos - são emoldurados, a exemplo de cada cardápio aqui (no Pastifício Dell'Amore) executado. Cada ingrediente tem um sentido, um aprimoramento, uma história, como os retalhos. Desta feita, retomo aos moluscos, mais precisamente ao vôngole, conhecido nas terras catarinenses (SC) como berbigão. Insumo assim chamado desde que os primeiros açorianos lá se estabeleceram e assim o batizaram. É produto de qualidade, fruto de muito trabalho, dedicação e que se não tratado com os devidos cuidados, além de ser perecível por demais, vai se tornar produto em extinção na mesa dos brasileiros.  Com este sublime ingrediente elaborei um espaghetti com vôngoles (spaguetti alle vongole), retirados do mar (de cultivo primoroso) e embarcado em questão de horas até o destino em questão.
A fina massa preparada ao dente foi servida com os pequenos e delicados frutos do mar, salteados em ervas frescas, especiarias mais bruxarias, um toque de vinho branco, azeite, alho, tomates em cubos e molho sugo. Para agregar brilho, uma colher de manteiga para finalizar o molho. Sejam bem-vindos novamente, pequenos pedaços do paraíso açoriano, neste caso, Florianópolis (SC).

spaghetti alle vongole
A massa (espahetti) e o vôngole são de rápido preparo. Dessa forma, podem ser feitos em paraleo. Enquanto os berbigões catarinenses são preparados, a água – salgado como o mar – pega fervura. Então, vamos às pequenas delícias, que proporcionam um sabor sem igual ao preparo.  O primeiro passo é ter em mãos uma panela (ou frigideira) de fundo grosso e larga, com tampa. Nela, comece a fazer um refogado com os vôngoles, com azeite cobrindo todo o fundo, cebolas e alho bem picados, talos de um maço de salsinha bem moídos, e pimenta fresca. Para a ocasião usei uma fraca. Assim que o preparado estiver ao ponto, agregue os vongôles, agregue uma xícara de molho suco e deixe cozer por, no máximo, 5 minutos. Adicione vinho branco seco (para um quilo, 1 xícara de vinho) e tampe. Por vezes, chacoalhe a panela, sem abrir. Assim que estiverem abertos, no máximo em 10 minutos de cocção, desligue o fogo. Neste momento, a massa já foi colocada na água fervente. Assim que estiver ao dente - ao dente mesmo, pois vai finalizar o cozimento nas delícias do mar já prontas – escorra rapidamente e coloque a massa na panela onde está o ‘cozido’ de berbigões.
Misture delicadamente. Sirva imediatamente, finalizando os pratos com salsinha e tomate sem sementes picados.
Ingredientes
1 kg de vôngole de boa procedência, pois trata-se de um produto pordemais perecível
2cebola picada
4 dentes de alho picados
1 maço de salsinha picada
Azeite
2 tomates  sem sementes picados
1 xícara de molho sugo
1 xícara de vinho branco seco
1 colher de manteiga (após moluscos finalizados, para dar um brilho e finalizar o sabor com toque especial)

E para comprovar que aqui no Pastifício Dell'Amore não há tempo ruim....
foto: Silvinha Miranda



Faça chuva ou sol, à noite ou ao entardecer, os encontros são sempre inesquecíveis.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

NOSSAS RAÍZES SERÃO ETERNAMENTE NOSSAS INSPIRAÇÕES

codornas recheadas
Do Clube de Pesca Vêneto às raízes de Invernadinha’

De criança, eu comia pombo e passarinhos - do sabiá ao bem-te-vi; rã; tatu; lambari; tudo com polenta ou quirera. Dos pássaros, “a vó depenava, tirava a cabecinha, cortava as juntinhas e preparava igual hoje preparam codorna, filha. Mas a vó gostava mais do pombo. Tinha mais carne e era de criação, lá de Morretes, que o dr. Carneiro dava para a vó só se ganhasse um pouco já pronto, de tanto que ele gostava. Depois de depenar, a vó lavava bem numa bacia e gostava de colocar muito tempero verde, vinho, vinagre, cebola, alho e depois deixava a noite interinha na geladeira. No caldeirão, fazia igual frango de panela no fogão a lenha. Dourando aos poucos, durante horas, e pingando um tiquinho d’água pra ficar bem douradinhos e com molho grosso, sem secar, nem queimar”.


Agora, as codornas!!!!
Bom, agora tratando das também deliciosas codornas. Ainda morando na desvairada Paulicéia, em 2005 nos inscrevemos em um concurso que tinha como tema a valoração da cozinha da região sudeste. Pra a ocasião, dois típicos ingredientes deveriam constar no preparo inscrito.
Das memórias e das tradições do Paraná, as raízes italianas e bugres traziam as lembranças acima citadas. Então, porque não adaptar para a codorna, prato que nunca havia preparado, com recheio de farofa com miúdos e especiarias, tradicionais da região sudeste? Para tanto, preparos, pesquisas, temperos, sempre com degustações do nosso fiel companheiro Jair Ratton. Ele já tinha seu caderno de anotações para elencar os pontos positivos, o que poderia ser aprimorado...ao final de cada comilança, nos divertíamos muito. Mas Jair comeu muita codorna.

Para iniciar o preparo das receitas recorremos a um especialista em codornas, meu cunhado Luiz Fernando Krassuski, integrante da equipe de cozinheiros do Clube de Pesca Vêneto (em Curitiba/PR),que nos deu dicas, a receita – em 2005 não tínhamos tido a oportunidade de comê-las no Vêneto. Só após 2007, quando para Curitiba retornamos. Mesmo assim, uma receita adaptada de codorna ‘Do Clube de Pesca Vêneto às raízes de Invernadinha*’. Nada ganhamos, mas aprendi a degustar não só os pombos de antigamente, mas também as codornas de atualmente.  Afinal, nossas raízes serão eternamente nossas inspirações.

*Invernadinha é uma microrregião do interior do Paraná, onde a vó Maria nasceu.
Codorna Clube de Pesca Vêneto
Ingredientes:
- 1 dúzia de codornas
- 2 maços de manjerona
- 2 maços de salsinha, com talos
- 2 maços de cebolinha
- pimenta fresca, sem sementes, bem picada
- 2 cebolas picadas finamente
- vinho tinto
- sal
- suco de limão
- bacon cortado em pequenos cubos
- azeite de oliva
Modo de preparo
- Picar as ervas grosseiramente, misturá-las ao vinho e pimenta e reservar
- Limpar as codornas, abri-las delicadamente  e temperá-la com sal e limão, besuntando bem toda a ave
- Rechear as codornas com um punhado generoso da marinada de ervas e dois, três nacos de bacon agregados aos temperos
- Fechar cada uma delas com um palito para que o tempero fique preservado no interior das codornas
- em uma frigideiras de bordas altas, ou caldeirão de ferro, aquecer o azeite e dourar cada uma delas, em temperatura ambiente para que não resfriem o azeite
Finalização
- Em uma panela de fundo grosso, disponha as pequenas aves em camadas, intercalando com a marinada de ervas e nacos de bacon
- Tampe a panela e cozinhe em fogo baixo por cerca de 30 minutos, ou até que o peito da ave esteja macio e o caldo suculento e 'aveludado'.
O Clube de Pesca Vêneto serve a iguaria em eventos especiais, assim como outros quitutes tradicionais. 

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Entre tantas águas, a sardinha continua nadando soberana

Desta feita, as sardinhas preparadas em molho escabeche ficaram firmes, não perderam a textura e tiveram suas espinhas desmanchadas durante a cocção, propícias para servir de tempero e ingrediente principal sobre uma salada de rúcula da horta e tomates cortados grosseiramente. Além de belo, o sabor? Nunca havia degustado igual. Sem falsa modéstia, mas, apenas, enfatizando o ditado de que “o hábito faz o monge”.
Repetição, repetição, repetição e, sobretudo, atenção aos sabores e saberes de cada ingrediente ali agregado. Com o passar do tempo, ao preparar sardinhas em molho escabeche, percebi que a pressão das mãos comprimindo delicadamente cada camada sobreposta à outra, conserva o formato das sardinhas espalmadas, sem as espinhas e com todo o sabor que ali foi agregado. 

sardinha, aprendi porque te quero sardinha!!!!
Nada além do que já havia relatado aqui, em post anterior. “O que dificulta o uso de forma mais ampla, em minha opinião, é a elaboração de receitas que façam as espinhas se dissolverem”. Mas alguns truques fazem desta iguaria, um prato único, sem igual, a exemplo deste Sott’olio de sardinhas.
Para esta receita useu 1 kg de sardinha fresca, com a barrigada removida e cada peixe espalmado, cebolas cortadas em finas lâminas, tomates firmes, sem as sementes, também lâminados, dentes de alho, azeite de oliva, um maço de salsinha (com os talos também moídos com uma boa faca), azeite. Para finalizar, vinagre de maça. Cerca de 1/2 xícara.


Ingredientes
sardinhas espalmadas

- 1 kg de sardinha, com os peixes livres da barrigada e espalmados, sem as cabeças
- Azeite de oliva o quanto baste para intercalar as camadas com os temperos
- Cebolas cortadas em rodelas (cerca de 5 cebolas);
- uma cabeça de alho, com dentes cortados em lâminas e outros inteiros
- cerca de 5 tomates sem sementes cortados em fatias bem finas;
- orégano fresco;
- sal e fresca picada. O ideal é escolher com o ardor de acordo com o paladar de cada um (a dedo-de-moça é ideal. Sem as sementes, tanto melhor. Para a ocasião, usei uma menos picante, servindo outras diversas para quem apetecer);  
- Sal
1/2 xícara de vinagre de maça.
Modo de preparo
Em uma panela de pressão, regar o fundo com azeite e montar camadas com os ingredientes citados:
Azeite, cebola, sardinhas (sempre com a pele para cima). Salpicar com sal e comprimir, com as mãos, esta camada. Depois, mais cebola, tomates, verde, azeite, sardinha, sal...e assim sucessivamente. Um quilo rende cerca de cinco camadas em panela de pressão de 1 litro mais 1/2. Finalizar com o vinagre e muita salsinha. Pressiona com as mãos novamente, fecha e ligue o fogo. Assim que pegar pressão, baixe o fogo e deixe cozer por 40 minutos. É muito fácil perder o ponto, com os peixinhos grudando no fundo. Para tanto, se considerar que o lume não está tão baixo, abra a panela após 30 minutos e prove. Elas devem estar firmes, mas nenhum espinho deve ser sentido ou avistado. Caso sinta espinhas, feche novamente e deixe mais 10 minutos. Desligue e deixe resfriar. Disponha s sardinhas mais temperos em uma terrine e regue com azeite até cobrir. Isso colaborará com a  conservação, que não será demorada, mas permanece intacta por até uma semana. Se conservada em vidro esterilizado, como conserva, a validade vai ser diversa.Para esta salada, foi usada após 12 horas de preparo. então, apenas dispus as folhas e os tomates sobre uma travessa, ao lado de nacos de pão italiano, e distribui sardinhas (sott'olio de sardinhas) sobre as folhas e os tomates. Não tem igual!!